10nov 2015

Cinco Coisas que Faria Diferente na Primeira Gestação

Post por às em Dicas, Gestantes, Maternidade ativa

cincocoisasquefariadiferentenaprimeiragestação

Quando passamos pela primeira gestação, tudo é uma grande novidade. É um período de grandes descobertas e novas expectativas. Como tudo ainda é muito novo, e a vontade de compreender cada vez mais esse processo é maior ainda; temos uma  tendência  a ouvir o que todas as mulheres que já passaram por esta fase, têm a nos dizer. Ouvir experiências de outras mães é válido, porém vale ressaltar que cada gravidez é uma experiência única, na vida de uma mulher.

Pode ser que por exemplo, você não sinta tantos enjoos, não tenha muito sono, não engorde muitos quilos, como algumas grávidas que você conhece; enfim , cada corpo e cada pessoa reage de uma maneira diferente.  Por este e muitos outros motivos é que listei, cinco coisas das quais faria diferente na minha primeira gestação, e que podem te ajudar, se está passando por este momento.

1 -Buscaria mais informações, além das consultas de pré-natal

Na primeira gestação, acreditava que as consultas de pré-natal, eram suficientes para me informar e ter uma gestação saudável. Só que não são! Claro, que de fato elas são importantes, mas não o suficiente. Nas minhas consultas, a médica da qual me atendia, não me passava pouquíssimas informações sobre os tipos de parto (normal, natural domiciliar, cesárea, humanizado.) A rotina das consultas se resumia em verificar meu peso, minha pressão, o coração do bebê e minha barriga. Coisas que sim, também são necessárias. Mas me faltaram informações no que se refere ao pré-parto, parto, pós-parto; Tinha muitas dúvidas referentes a amamentação, maternagem, cuidados com o bebê.  Com certeza se eu tivesse buscado outras informações, teria sido tudo muito diferente! Por isso além do pré-natal, busque muita informação de qualidade! Quanto mais melhor!

2 – Deixaria de dar ouvidos a pessoas que acabavam me desencorajando

Muitas mulheres chegavam até mim, e me diziam que a dor do parto era algo terrível e que eu deveria fugir do parto normal, assim como o diabo foge da cruz. Como nunca havia passado por um parto normal, e nenhum outro tipo de parto; é claro que acabava ficando com um pouco de medo. Hoje em dia sei, que se não tivessem aparecido tantas pessoas me desencorajando nesse aspecto, com certeza teria lutado por um parto normal, assim como fiz na minha segunda gestação. Portanto, informe-se e deixe esses comentários de lado. Saiba o que é melhor de fato para você e seu bebê. Existem muitas mulheres que não sentem dor no parto, que ele acontece inclusive de forma muito rápida e prazerosa. Cada mulher sente de uma forma.

3- Teria confiado mais em mim, em meu corpo, no meu bebê

Acreditava que eu não seria capaz de dar a luz naturalmente ao meu filho. Hoje em dia acho um absurdo a forma da qual cheguei a pensar. Mas de fato, pensei desta maneira, por conta de escutar, tantas palavras ao meu redor, que não me encorajavam; mas ao contrário, me faziam pensar que era incapaz. Não confiei em mim mesma, no meu corpo, na minha capacidade, no meu filho e nem na natureza. Hoje entendo isso perfeitamente e como me arrependo.  O que digo para vocês é: nunca deixem de confiar em si mesmas em qualquer situação. Isso nos enfraquece demais!!!!!

4- Frequentaria rodas e grupos de gestantes

É possível encontrarmos muita informação, apoio e acolhimento em rodas, e grupos de gestantes. Todos esses, são fatores importantíssimos para um pré-parto, parto e pós-parto mais ativo e consciente. Na minha segunda gestação participei e percebi essa diferença. Nesses encontros, foi possível encontrar palavras de coragem, de outras mulheres que me fizeram acreditar novamente em mim mesma, na minha própria capacidade de parir e dar  a vida.

5- Não daria mais ouvidos  a mitos

Existem muitos mitos relacionados ao processo de gestação, parto  e pós-parto. Como tudo era muito desconhecido para mim, não sabia distinguir os mitos, da realidade. Por isso acabei perdendo muito tempo, acreditando em coisas que não eram verdadeiras, que não tinham o mínimo de respaldo científico. Se fosse hoje em dia, teria buscado verificar a autenticidade de todas essas informações que me eram fornecidas. Dessa forma, teria sofrido muito menos e me empoderado muito mais! Portanto, verifique sempre a veracidade de toda as informações que lhe são repassadas. Não custa nada e o acesso as informações atualmente, são muito mais fáceis!!

comentário(s) via facebook