30jan 2017

Como lidar com alterações emocionais da gravidez

Post por às em Gestantes, Pré-parto, Saúde

Acordar sorrindo e chorar já no café da manhã. Em um momento, a pessoa mais feliz do mundo e, no segundo seguinte, triste sem saber a razão. Mudanças repentinas de humor são frequentes na gestação devido às causas emocionais e fisiológicas. Os nove meses são recheados de alterações hormonais, ansiedade, medos e sensações que são difíceis de explicar.

Sergio Floriano Toledo, diretor científico da Regional Santos e Baixada Santista da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo (SOGESP), compara a gravidez a uma TPM contínua, fator que contribui para a instabilidade emocional. Além disso, de acordo com o especialista, é preciso compreender que metade das mulheres que engravidam no Brasil não planejou a concepção, conforme dados do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

“Ou seja, muitas são pegas de surpresa; algumas sem a mínima estrutura financeira, física ou emocional, em idades precoces ou tardias. Desta forma, há maior possibilidade do pré-natal ser postergado, aumentando o risco de doenças associadas”, esclarece.

Por isso, é fundamental atentar-se à saúde mental da mulher para diferenciar a montanha-russa de emoções de uma possível depressão. Esse processo é simples: as alterações de humor normais dessa fase caracterizam-se por variações de euforia a choro por coisas simples. Na depressão, a gestante torna-se antissocial, desmotivada para atividades rotineiras, com atitudes pessimistas, temor excessivo referente à amamentação e a atenção do parceiro, por exemplo.

Algumas formas de depressão alteram o apetite da gestante, que pode ficar longos períodos sem alimentar-se, ou fazer as refeições inadequadamente por tempo prolongado. Com isso, o feto pode ser prejudicado, sem ter o peso adequado ao nascimento.

O obstetra da SOGESP afirma que é diante deste cenário que o apoio de familiares e amigos faz-se mais necessário. “Eles não só podem como devem ajudar. As amigas que já passaram por essa experiência podem dar dicas e a família, especialmente os pais e o companheiro, auxiliam no combate às emoções negativas”, orienta.

No primeiro trimestre
Sergio Floriano Toledo conta que as oscilações no primeiro trimestre são reações ao descobrir-se gestante, com manifestações recorrentes de euforia e medo. É nesse período a maior incidência de abortos espontâneos, geralmente decorrentes de malformações genéticas. Além disso, é possível adicionar o desconforto físico, com náuseas, vômitos e insônia, e insegurança sobre a vida após a gravidez.

No segundo trimestre
Tudo começa a mudar e a sensação de um bebê dentro da barriga é mais concreta, sobretudo quando sentem o filho mexer e veem o ultrassom. Alguns incômodos físicos começam a desaparecer e a mulher sente-se bem, pois consegue dormir e comer melhor.

No terceiro trimestre
Toledo atesta que esse é o período mais crítico, no qual as inseguranças afloram-se mais intensamente. “Ela pode sentir-se despreparada para o início da maternidade, confusa com a amamentação, e temerosa em conciliar a vida social e profissional com o futuro filho”, finaliza.

 

Fonte: Acontece Comunicação e Notícias

comentário(s) via facebook

6 comentários deixe um →

  1. Patriciasilveira

    Nossa adorei. Esse artigo foi bem assim q me senti mt. Mesmo planejado o nosso bb me senti inseguracom mt medo e a ansiedade tomava conta de mim passei um horror na minha gravidez essa experiência. Foi terrivel mas nao me arependo de ter engravidado pq eu queria mt um filho mas gracas a deus passou e hoje minha princesinha ta linda e com mt saúde

    Responder
    • Liri Bauer

      Que bom que gostou do artigo, Patricia! Fico muito feliz! Realmente as alterações emocionais fazem parte da gravidez, também me senti assim nas minhas duas gestações…

      Responder
  2. Olá!

    Seu blog foi indicado para participar da compilação Blogosfera de Maternidade. Caso tenha algum dado errado favor nos informar.

    http://webinformado.com.br/blogs-de-maternidade/

    Parabéns pelo trabalho.

    Abraço!

    Responder
    • Liri Bauer

      Nossa que legal! Muito grata mesmo! Estou muito feliz! Beijos

      Responder
  3. Aline

    Eu estou grávida as vezes choro sinto raiva do meu esposo tenho até medo dele mim deixar por o meu estado emocional fico nervosa a toa

    Responder
  4. Elaine

    Estou vivendo todos os sintomas, sono , cansaço, euforia, anciedade, depois das 5:30 da manhã esquece não durmo mais, rolo de um lado para o outro com um frio na barriga que não passa. Estou na 6 semana e me preocupo com a saúde do meu bebê. Como posso melhorar esta situação? Florais resolvem? Obrigada pela matéria.

    Responder