19fev 2016

Feminismo e maternidade

Post por às em Filhos

#feminismoematernidade

Essa semana fui  reencontrar com duas amigas da época da faculdade e elas me disseram que eu mudei muito, que ficaram impressionadas com tais mudanças após a chegada da Lorena. Justo eu que sempre gostei muito de sair, estudar, trabalhar, bastante ativa em tudo e com ideias feministas; interessada nas questões de gênero. Reforçando que o  feminismo diz respeito a todas as mulheres, é uma luta por igualdade de direitos, visa o empoderamento feminino, auxiliando para um mundo melhor para todos nós. Ah! E não odeio os homens, ok? rss

Continuando a história, minhas amigas ficaram estarrecidas porque agora só fico em casa, exercendo a profissão: MÃE! Também afirmaram que nunca haviam me imaginado assim, mas que acham bonito a minha entrega. As duas trabalham fora de casa e não têm filhos. Com toda a certeza a maternidade me transformou por completo! Tem sido uma experiência avassaladora e já não sei mais me imaginar de outra maneira.

E aí fiquei refletindo, sobre o assunto e o que elas me falaram. De fato estou mais em casa, por opção pessoal, o que não significa que por estar dessa maneira, cuidando dos meus filhos, deixei de atuar, que abandonei meus sonhos e a mim mesma… Isso não é verdade, não mesmo!!! Apenas encontrei um novo caminho para seguir de encontro aos meus sonhos e com aquilo que sempre acreditei, que é diferente do caminho delas. Não estou dizendo que as minhas companheiras me disseram isso, mas sei que tem muita gente que pensa ainda assim: que  mulher que esta dentro de casa não é atuante.

feminismo-e-maternidade

Me entreguei como nunca para a maternagem porque ela foi mais forte do que eu mesma, uma força poderosa e visceral tomou conta de mim, algo estranhamente vindo das entranhas.  Digo isso no sentido de que não sinto vontade de trabalhar fora e ficar longe dos meus filhos. Não me instiga o fato de terceirizar a educação dos meus pequenos. Mas continuo trabalhando e me colocando no mercado de trabalho cada vez mais, já que hoje em dia atuo como empreendedora digital. Não me imagino sem trabalhar e empreender tem sido uma grande aventura junto com maternidade.

Tem sido fácil? NÃO! Mas também era menos ainda quando eu trabalhava fora e ficava muito tempo longe dos filhos. Eram outros desafios, todos os dias dos quais não me atraem mais. Uma competitividade desmedida e desleal, intrigas e humilhações diversas dentro do ambiente de trabalho. Não acho que vale a pena deixar meus filhos com outra pessoa, pois estou conseguindo trabalhar em casa, do qual permaneço ao lado deles, exercendo uma maternidade ativa, consciente, criando-os com apego, muito amor. Isso para mim vale mais. Muito mais. E outra coisa: para empreender dessa maneira, é necessário muito empoderamento e estou mais empoderada do que nunca!

Ganhava mais dinheiro trabalhando fora de casa? SIM! Valia a pena? NÃO! Continuo na luta da independência financeira porque empreender em casa não é tarefa simples e rápida. Continuarei lutando até conquistá-la para que possa permanecer perto de meus filhos, acompanhando o crescimento e desenvolvimento deles, gerando mais renda para minha família e mais independência financeira.

feminismo-e-maternidade

Não me tornei uma submissa, “dona de casa”, alheia a tudo o que acontece fora do lar e do meu ninho materno. Continuo pensando maneiras de me colocar nessa sociedade tão machista e patriarcal, da qual não se tem nenhum ou muito pouco valor pelas mães. Meu trabalho agora é lutar mais do que nunca junto com outras mulheres, para que possamos mostrar/ resgatar o nosso valor e estar sempre atuantes na sociedade, com muita dignidade e respeito.

Por isso é importante o maternar sempre consciente e a união feminina. Vamos refletir, mas não nos atacar por favor!!!  Sou extremamente favorável e incentivadora do empoderamento materno/feminino, da humanização do parto, da valorização da mãe, da mulher. Minha forma de educar  os meus filhos não é a do rosa é para menina e do azul é para menino. Minha pequena brinca de carrinhos e de bonecas; o mesmo acontece com meu primogênito.

feminismo-e-maternidade

O meu marido não é o pai que “ajuda”, é um pai presente e ativo. Participamos juntos das tarefas da casa, da educação e dos cuidados com as crianças.  Continuo a ter amigas, a sair de vez em quando junto com elas, confesso que fico muito mais em casa, mas tenho esses momentos de lazer também, e acho que eles são extremamente importantes. Minha maneira de revolucionar, de fazer valer minhas ideias feministas e estar atuante está aí com tudo o que já citei! Este blog é reflexo de tudo isso e não quero me calar e não irei me calar.

Assim como não quero calar nenhuma mãe, esse espaço é para todas nós que sentem vontade de se expressar e ter voz. Temos muito o que dizer, com relação a forma como a sociedade vem tratando as mulheres e especialmente as mães.  Qual o lugar da mãe? O lugar dela é onde ela quiser não é mesmo? E ninguém, ninguém tem o direito de julgá-la!!! Se ela quer estar atuante no mercado de trabalho: que esteja, se quer estudar: que estude, se quer ficar em casa: que fique, se quiser estar em todos os lugares e em muitos outros: esteja!!

Estejam onde quiserem, ocupem os espaços que quiserem, desde que sejam conscientes. Sei que as vezes as coisas não são tão simples assim, mas é possível!! Não precisamos e nem devemos ficar só em casa “quietinhas” e sem lutar pelos nossos direitos. Hoje em dia, posso afirmar que estou no lugar que eu mesma quero! E vocês estão ocupando os espaços que querem? Como está sendo?

É isso aí por hoje gente! Deixem suas reflexões sobre o tema por aqui….

Beijos maternos, Liri ♥

comentário(s) via facebook

4 comentários deixe um →

  1. Milena

    Simplesmente incrível teu texto, tuas ideias, Liri. Me percebi em cada palavra….Depois de muita reflexão, sofrimento e a verdadeira loucura de terceirizar a educação de minha pequena desde os 5 meses, agora fico com ela, e não há melhor lugar no mundo a se ocupar, mesmo que também não seja fácil, pois queremos seguir buscando a independência financeira. É uma sensação de dever cumprido, de completude, da paz de Deus.

    Responder
    • Liri Bauer

      Ai que linda você Milena! Muito grata, me arrepiei com suas palavras…. Fico muito feliz por vocês duas… <3 <3 Um beijo carinhoso

      Responder
      • Milena

        Muito obrigada, Liri. Adorei teus conteúdos, um espaço bem legal para a discussão de temas da maternidade que não são tratados abertamente. Temos que desmitificar a perfeita história de que mãe trabalhando fora o dia todo e filhos sendo criados e educados por terceiros é o normal e o saudável para nossos pequenos.
        Beijos para ti e teus pequenos também. E parabéns pelo nosso dia!

        Responder
        • Liri Bauer

          Gratidão Milena, querida! Viva a nosso dia!!! Beijos com carinho <3

          Responder