24fev 2016

Filho caçula é mais “mimado”?

Post por às em Educação, Filhos

#asmaesvaomudaromundo

Com certeza vocês já devem ter ouvido falar que o filho caçula é sempre o mais mimado pelos pais e pela família não é mesmo?! Inclusive, eu sou a filha caçula dos três filhos dos quais tiveram meus pais rs. Quando era criança, não me considerava mimada não! Conforme fui crescendo menos ainda; acho que é aquele complexo de inferioridade quem sabe rsss. Sempre me sentia de certa forma o “saquinho de pancadas” e de  pequenas “maldades” dos meus irmãos haha. Isso porque eles sempre se aproveitavam um pouco da minha ingenuidade,  já que sabiam mais sobre algumas coisas da vida do que eu, que era mais nova e ainda não havia aprendido.

Demorei para aceitar o fato de que sim! De certa forma fui uma filha mais “mimada” (leia-se cuidada) que meus irmãos e hoje em dia confesso e tenho plena consciência disso. Não no sentido como muitos entendem da palavra, mas entendo que tive algumas “regalias” se é que podemos chamar assim.  Isso porque eles cuidaram de mim e minha mãe sempre me poupava dos trabalhos de casa, de tarefas mais “pesadas”. Mas era essa a única diferença, e pudera eu sendo a filha menor, acabava que necessitava um pouco mais de certos cuidados.

A atenção para comigo era redobrada, porque além dos meus pais que já faziam isso, ainda havia os meus dois irmãos que não desgrudavam os olhos de minha pessoa rs. Ou seja, eram todos cuidando de mim rs… Hoje em dia com a chegada de Lorena na minha família, percebo que acaba praticamente sendo a mesma coisa. A atenção fica mais voltada para ela, porque é bebê, ainda está na fase das primeiras aprendizagens e necessita muito de cuidados, já que ela ainda não sabe realmente fazer isso sozinha.

#asmãesvãomudaromundo

É claro que o meu primogênito não é deixado de lado. Nos atentamos muito para isso aqui em casa; para as suas necessidades, conversamos muito com ele, brincamos todos juntos e ele recebe muito amor e carinho também. Mas de fato, tem momentos que não consigo dar atenção ao mesmo tempo para os dois.

Por exemplo, se a Lorena está chorando e pedindo por colo, e o Luka está me chamando para desenhar com ele;  eu prontamente respondo que depois iremos desenhar e que preciso atender a irmã que é menor. Nessas horas fico me sentindo em uma situação difícil… Não tenho a intenção de magoar meu filho mais velho, mas também não posso deixar a pequena de apenas 01 ano chorando e não fazer nada.

Quando meu companheiro está em casa essa situação é melhor conduzida, pois ele foca mais a atenção no primogênito, enquanto eu na mais nova e vice versa. Desta maneira fica tudo mais fácil. Mas nem sempre é assim. Como o Luka já está com 08 anos e a Lorena com 01 e meio, a diferença de idade é grande entre os dois, e suas necessidades também diferenciam um pouco; mas eles se dão muito bem, o meu menino gosta bastante de ficar com a irmãzinha. Os dois adoram brincar juntos. Sempre estão se beijando, abraçando, querem ficar sempre perto um do outro.

#asmãesvãomudaromundo

ASSINE A NEWSLETTER E RECEBA OS PRÓXIMOS POSTS SOBRE O ASSUNTO. SIGA TAMBÉM A ESTAÇÃO MATERNA NAS REDES SOCIAIS:

Luka, ama imensamente a pequenina, é um amor lindo de se ver. Quando o mesmo nasceu, cuidei muito dele, mas não entendia que o tempo passava realmente rápido e que o crescimento dos filhos passam num “piscar de olhos”. Por isso, hoje eu tento ficar ao máximo perto deles e principalmente não deixar de acompanhar nada, nenhuma fase de desenvolvimento. Quero aproveitar tudo para não me arrepender depois e não me sentir  “culpada” por não ter conseguido estar mais presente, como de certa forma aconteceu com meu primeiro filho.

Essa “culpa materna” eu já superei, mas tenho vontade de ficar sempre ao lado deles, é só isso que quero no momento e é o que tenho feito. Uma criação com muito apego, muito colo, carinho, amor, atenção, cama compartilhada, alimentação a mais saudável possível, amamentação por livre demanda… Me  faço mais disponível para eles… Se isso é mimar eu não concordo. Acredito que isso é amor e carinho, é  como sinto que deve ser! Não dizem por aí que filho único pode se tornar mimado e devemos ter mais um bebê para que ele não seja? Quem nunca ouviu falar disso também??? hehe

Aí quando nasce o segundo filho,  que já é de certa maneira para o mais velho deixar de ser mimado, o que acontece é que dizem que agora quem é o mimado da vez é o mais novo! Vai entender? Confuso não?????? Ou seja, então não tem salvação (brincadeira) haha, mas seguindo a linha de pensamento citada acima, faria sentido rs. Muitas pessoas confundem amor e atenção que oferecemos para nossas crianças, afirmando que as estamos “mimando demais”. Escuto muito isso, que mimo muito a Lorena e que não devo atender as necessidades dela a todo momento para que não fique mimada. Como assim??? Acho um absurdo isso! Deixar de dar amor, por conta de ficar “mimada”? Oi?!

Escutava a mesma história quando a caçula ainda não havia nem nascido. Só que aí o papo era: o  do “filho único mimado”. As pessoas nunca vão parar de falar essas coisas, de querer dar seus palpites sem saber de fato o que acontece, soltam palavras sem reflexões, apenas repetem o que ouvem por aí, e fazem isso porque simplesmente na maioria das vezes não tem nada de bom pra nos dizer. Cheguei a esta conclusão.

Acredito que não devemos nos ater a esses tipos de comentários…  Nunca vou deixar de atender as necessidades dos meus filhos no que se refere a atenção, carinho, amor… Isso não deve ser negado. Não estou falando nem de coisas materiais. Não sou a favor do consumismo desenfreado. Sou mais da presença do que dos “presentes”. Penso que é preciso negar o que não é saudável, não é urgente e nem necessário. Agora amor, afeto é mais do que saudável, urgente e necessário, né?! O que vocês pensam sobre isso? Comentem por aqui!

Beijo maternos, Liri ♥

comentário(s) via facebook