19jun 2015

O Milagre de Deus (história da leitora)

Post por às em História da leitora
Olá!! Me chamo Suellen e estou aqui para contar um pouquinho da minha história para vocês. Tudo começou no dia 05.11.2014 a tão esperada chegada do meu anjo Gabriel, meu Filho! Nasceu de parto normal ás 2:25hrs da madrugada com 3,710kg e com 50cm. Lindo, super saudável, gordinho, sem nenhum problema.. Simplesmente perfeito! No dia seguinte recebemos alta, mas uma coisa estranha aconteceu, ele vomitou um liquido escuro, meio esverdeado, eu fiquei assustada e muito preocupada, sabia que o meu bebê não estava bem. A médica que examinou falou para ficarmos mais uma noite, mas a ansiedade de vim para a casa falou mais alto, fomos para casa super felizes com a nossa benção de Deus nos braços.
arquivo pessoal da Suellen

arquivo pessoal da leitora

Na manhã do dia 08.11.2014 o Gabriel parecia estar super bem, mas logo senti um aperto no coração, senti que não estava bem; ele ficava sem ar, vesgo, não queria mamar, nem dormir, só chorava, teve febre e eu fiquei desesperada. Decidimos ir para o AMA, mas as enfermeiras e a médica nem sequer encostaram a mãe no meu filho para examiná-lo, perguntei do resmungo se era normal, elas falaram todo bebê tem isso, mas eu não acreditei, voltamos para casa, ouvi de pessoas que era cólica, que ele estava com fome, que isso era normal, mas mãe é mãe, nos sabemos quando tem algo de errado, sendo assim, eu falei com meu namorado e levamos ele para o hospital onde nasceu, no caminho o Gabriel só chorava, ficava todo encolhido no meu colo, só olhando para cima, tinha momentos que ele me olhava de um jeito pedindo socorro, só eu sentia como ele estava, foi horrível ver meu pequeno daquele jeito.
historialeitora

arquivo pessoal da leitora

Chegamos no hospital pedindo socorro, e graças ao nosso grandioso Deus o médico que estava de plantão atendeu ele, porque a recepção deixou bem claro que lá não era pronto socorro. Fomos liberados para subir que o médico iria examiná-lo. Assim q ele pediu para eu tirar a roupinha do bebê, foi um susto, ele estava ficando roxo e sem forças, o médico encaminhou nós para a semi UTI, as enfermeiras pegaram ele e já fizeram lavagem e na hora entubou, sedou e colou as medicações, assim que ele foi liberado para que eu e o pai pudéssemos ver, nossa aquela imagem eu nunca vou me esquecer, meu bebê naquele incubadora, foi muito triste. Outra médica chegou, olhou para ele e falou: esse bebê esta infeccionado, ele vai p UTI agora. Fiquei impressionada e desesperada, porque como uma médica só olhou para o Gabriel e viu que ele estava com uma infecção sem ao menos fazer exames. Essa médica mereceu meu respeito!
Bom… eu e meu namorado tivemos que ir embora, fomos com o coração partido, sem chão, sem forças.
Chegando em casa foi aquele desespero, várias pessoas me culpando pelo que aconteceu, foi horrível, eu queria sumir dali naquele momento, pois a pessoa que eu mais precisava me culpava, todos me culpavam… aquela noite foi a pior.
No dia seguinte fui com meu namorado até o hospital visitar nosso filho, chegando lá recebi a notícia que o quadro dele era muito grave, os médicos só faltaram dizer que ele não ia sobreviver, e na hora que eu soube que ele estava com a infecção streptococcus b, nossa entrei em desespero total e ainda para me ajudar meu namorado falando para os médicos: eu ainda falei para ela fazer o exame do cotonete.
Este exame ia diagnosticar se eu estava ou não com essa infecção que poderia passar para o bebê. Foi um choque para mim, eu só chorava, eu só queria meu filho bem do jeito que ele nasceu. Na hora que eu fui liberada para vê-lo , naquele momento que entrei naquela UTI nossa não tem explicação para o que eu senti, vi meu filho com 8 bombas de medicamento e fora os medicamentos que ele estava tomando pela sonda, ele entubado, sedado, inchado… Foi muito triste ver ele daquele jeito, eu só pedia para Deus curar meu filho, eu pedia a todo segundo, a todo minuto, eu não saia de perto dele, só orava para Deus curar o meu anjo. Passei o dia do lado dele, olhando, conversando e falando que ele iria ficar bem… Na hora de ir embora o coração apertava mais ainda, ao saber que ele não tinha nenhuma reação, não sabia se ali as enfermeiras iriam cuidar direitinho dele.
arquivo pessoal da leitora

arquivo pessoal da leitora

No dia seguinte voltei para visitá-lo, chegando lá eu só queria ter notícias boas, mas infelizmente não eram boas, ele não tinha reagido aos remédios ainda, e a situação só piorava, foi diagnosticado a meningite, e eu simplesmente entreguei na mão de Deus, eu não podia passar tristeza para ele, então eu fui forte, não chorava perto dele, só transmitia coisas boas, para que ficasse forte também… Mais um dia se passou. E na volta ao hospital, como mais um dia eu só esperava notícias boas, que infelizmente novamente não eram tão boas. Ele não tinha reagido nada, mas uma coisa ótima era que os sinais vitais dele estavam bons, mas isso com os remédios (drogas) que o mantinha vivo. Era mais um dia pedindo ao Senhor que curasse meu pequeno.
No próximo dia, voltei ao hospital, era muito ruim, porque eu dependia muito de alguém para me levar, pois estava recente e ainda sentia dor pós- parto, infelizmente não podia dormir lá, mas enfim… fui ver meu bebê e novamente sem reação, eu já não aguentava mais ver meu filho ali, foi um desespero em saber que ele não tinha reagido ainda, as médicas e enfermeiras vieram me confortar e falou que ia tentar outra medicação, eu fiquei mais aliviada, e sabia também que Deus estava ali com ele a todo o momento. Passado uns dias ele foi reagindo. Agradeci tanto a Deus, foi uma felicidade imensa em saber que  estava reagindo, ainda estava sedado, mas ele sentia quando eu fazia carinho, cantava,  sentia que eu estava ali, isso para mim era tudo.
arquivo pessoal da leitora

arquivo pessoal da leitora

Dias se passando, e cada dia ele ia melhorando mais e mais, os médicos iam removendo as bombas, tirando alguns medicamentos, eu só agradecia a Deus, toda vez que eu entrava naquela UTI, eu olhava menos uma bomba de medicamento, ufa! Um sorriso enorme tomava conta do meu rosto e as lágrimas de alegria caiam ao ver que meu anjo, que aquele ser tão pequenininho, tão inocente estava se recuperando aos poucos, mais alguns dias se passaram e infelizmente ele começou a ter convulsão, ele tinha muita, muita mesmo, em um dia que eu fiquei ali o tempo todo vi ele tendo uma convulsão atrás da outra, era horrível, naquele momento eu não aguentei, eu tentei ser forte, mas ver meu filho naquela situação era uma dor muito forte em mim.
E eram tantas medicações para tentar controlar, mas eu não me cansava de pedir e ter fé que tudo aquilo iria passar. Mais dias se passaram e agora só noticias boas. Estavam tirando a sedação, alguns medicamentos saindo, já tomava do meu leite, se mexia. Era uma felicidade imensa ver ele se recuperando. Os médicos deixaram bem claro para mim que ele ia ficar com sequelas, e que teria que tomar o remédio para convulsão o resto da vida, mas eu tenho muita fé em Deus, que ele vai ser curado totalmente, ele pode apresentar algumas sequelas, mas o meu Deus é o Deus do impossível e eu acredito muito que meu filho, meu anjo e guerreiro de Deus vai ficar sem nenhuma sequela! ele vai ser o bebê mais perfeito!
Um dia cheguei e ele estava sem o tubo e com um penteado super fofo, nossa que felicidade, eu chorava de alegria. E eu já podia pegar ele no colo novamente. O médico ainda brincou, falou que achava que estava incomodando, aí ele foi e tirou, e o Gabriel se deu muito bem sem aquele tubo, o quadro dele já não era grave, meu filho estava bem. Mais alguns dias … e uma grande surpresa ele ia sair da UTI e ir para a semi UTI. Nossa eu só agradecia a Deus. Fomos para a semi, eeeee!!! Ele ainda na incubadora, mas era por pouco tempo. Certo dia cheguei e vi meu filho no bercinho, super bem, eu não acreditava, ele todo lindo de roupinha, só a sonda que atrapalhava rs mas  também que logo iria sair, bom eu já dava de mama, dava banho, trocava, ficava o dia todo com ele no colo e as enfermeiras que falavam: deixa esse menino no berço se não de noite da trabalho rsrs mas não tinha como, depois de quase 1 mês sem poder pegar, acha que eu não ia aproveitar meu momento com ele? Até parece rs
No dia 09.12.2014 veio a tão esperada alta pra casa, e dessa vez sem volta rs nos só estávamos esperando o resultado do exame da espinha que era para ver se tinha curado totalmente a meningite. Desci para quarto com meu bebê, e a médica chegou e falou:- mulher o que você está fazendo aqui, você gosta de um hospital hein? vocês estão de alta, seu bebê esta super bem e curado! Foi só alegria e só agradecia a Deus por este milagre que ele fez na vida do meu filho e na minha também. Bom gente essa é minha história, claro que tem muitoooos e muittooos detalhes, mas se eu for contar tudo vou acabar escrevendo um livro. Mas foi isso gente. Ele teve a infecção streptococcus b, meningite, choque séptico, mal convulsivo, toxoplasmose, distúrbio coagular, convulsão e um buraco no coração.
arquivo pessoal da leitora

arquivo pessoal da leitora

Esse foi o diagnóstico dele, e olha como Deus é perfeito, se eu tivesse demorado mais 1 minuto para chegar no hospital e ser atendida o Gabriel não tinha sobrevivido, foi Deus. Quero agradecer todas as enfermeiras que cuidaram do meu bebê como se fosse filho delas, todas foram um amor de pessoa, os médicos e as medicas também. Tem uma frase que eu vi e que gostei bastante: Os médicos trabalham, mas é Deus que opera! Meu filho é um guerreiro, um milagre na minha vida! Só tenho a agradecer a Deus por tudo, tudo mesmo e quero daqui uns meses poder contar novamente a história só que dessa vez contar que ele vai estar sem sequelas, vai andar, falar, bagunçar a casa, brincar fazer de tudo como qualquer outro bebê. Deus há de querer! Amém.
E deixando um recado para todas as futuras Mamães. NÃO DEIXEM DE FAZER O EXAME DO COTONETE! ESSE EXAME É MUITO MAIS QUE IMPORTANTE E SE CUIDEM!!!
Suellen.

comentário(s) via facebook

2 comentários deixe um →

  1. amanda

    Vc tem face para acompanharmos a história do Gabriel?

    Responder
    • Liri Bauer

      Oi Amanda! Esse depoimento é de uma leitora da Estação Materna, o nome dela consta no artigo. A Estação Materna está no Facebook. Beijos

      Responder